segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Amor

"Ora bem, sempre que um amante (um amante em sentido lato e não apenas o amante de jovens!) encontra essa mesma metade que lhe pertence, eis que de súbito os assalta uma estranha impressão de amizade, de parentesco, de amor, enfim; e a tal ponto que já não aceitam, por assim dizer, separarem-se um instante que seja! Esses são justamente os que permanecem juntos durante toda a sua vida - muito embora não soubessem sequer dizer-vos o que esperam, em concreto, um do outro... Não passa decerto pela cabeça de ninguém que seja meramente a união dos sentidos a causa do seu afã e do prazer que sentem em estar juntos; visivelmente, é a alma de cada um que aspira a algo mais, algo que ela não sabe exprimir mas que adivinha e deixa discretamente insinuar-se..."



Platão, Banquete, 192b-d, Edições 70, 2006



16 comentários:

  1. O amor literário é bonito, sem dúvida; o real, existindo, não será bem assim. Além de que não acredito no amor. Acredito na paixão, no bem-querer, e só. Mas, mantenho o que disse, na literatura faz todo o sentido. :)

    Li Platão no 1º ano da faculdade.

    um abraço, querido Ine.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, acho que sou como tu, Mark. Acredito muito na paixão e naquela ternura especial que se tem por alguém. Se há amor ou não, não faço ideia, lol. Gosto de acreditar que cada pessoa tem a metade da sua laranja, que anda por aí, e que, mais tarde ou mais cedo, as duas metades juntar-se-ão.
      Esperemos. :-)

      E por que é que tem de ser só "um" abraço; um beijinho? Ai ai... xD


      Muitos abraços, querido Mark! xD

      Eliminar
    2. Porque eu dou apenas um, mas isto não significa que tenha menos carinho. :) Toma lá muitos, seu 'pidão'. :'D

      Eliminar
    3. Lool, sim. Não imaginei que andasses por aí a dar milhentos abraços a uma só pessoa. xD
      Estava a brincar contigo. :-)

      Abraço(s)!

      Eliminar
  2. Leio o texto muito bem mas quando chego a 'é a alma de cada um que aspira a algo mais', paro. É um conceito demasiado lato e ambíguo a ele não consegue responder, pelo menos neste excerto. Admito que conheço mal a obra, li-a há anos mas mas o enigma continua lá.

    Abraço, mon Johnny.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é verdade. Não é nada fácil.
      Eu também não a conheço por aí além. Andei às voltas com ela há uns anitos, mas nunca me debrucei demasiado sobre o assunto. Muitas vezes, quando pego no livro, fico-me pelo saborear das palavras e das imagens. :-)


      Abraço, mon Arrakis!

      Eliminar
  3. Concordo com isso. E foi isso que já senti: "de súbito os assalta uma estranha impressão de amizade, de parentesco, de amor"!

    ResponderEliminar
  4. Nem sabes o quanto adorava que isto me acontecesse, mas acho que os casos devem ser um tanto ou quanto raros! lol

    Adora está obra prima: Psique Reanimada pelo Beijo do Amor... Magnifico!

    Grande Abraço ;-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rúben, Rúben, Rúben... Será quando menos esperares. :-)

      Eliminar
  5. gosto tanto de tudo, do texto, da imagem, da mensagem...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom! :-)
      A fotografia é absolutamente sublime. Era capaz de ficar a olhar para ela durante horas! :-)

      Abraço, Meia Noite! :-D

      Eliminar